quarta-feira, 3 de abril de 2013

Enigma...



A beleza e o sublime
Tecem prazeres sem fim
[fruição inimaginável]

Pois a linguagem do Belo
É a realização final da emoção
Lugar onde a razão não alcança
Nem sabe que existe, é enigma
Só desvendado ao sentir [coração]

Um comentário:

Célia Gil, narciso silvestre disse...

Continua a escrever extremamente bem! Bjs